Dólar opera em queda, em meio a expectativas positivas sobre negociações EUA-China

Leia Mais

+55 (41) 3223.2828

Taxas de Câmbio

Dólar opera em alta à espera do Fed e do Copom

Dólar opera em alta à espera do Fed e do Copom

Na véspera, o dólar fechou em queda de 0,3%, a R$ 4,0768.

Por G1

18/09/2019 09h01  Atualizado há 35 minutos

  Notas de dólar  — Foto: Hafidz Mubarak/ReutersNotas de dólar  — Foto: Hafidz Mubarak/Reuters

Notas de dólar — Foto: Hafidz Mubarak/Reuters

O dólar opera em alta nesta quarta-feira, com os mercados à espera das decisões sobre taxas de juros nos Estados Unidos e no Brasil.

Às 10h07, a moeda norte-americana subia 0,37%, a R$ 4,0917. Veja cotação.

Na véspera, o dólar fechou em queda de 0,3%, a R$ 4,0768. No ano, a moeda tem alta acumulada de mais de 5,23%.

Variação do dólar em 2019Diferença entre o dólar turismo e o comercial, considerando valor de fechamentoEm R$Dólar comercialDólar turismo (sem IOF)28/1210/121/131/111/220/21/314/325/33/412/424/046/515/524/54/613/625/64/716/725/75/814/823/83/912/93,63,844,24,4Fonte: ValorPro

 

Decisões sobre juros nos EUA e no Brasil

 

Investidores aguardam a reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), com ampla expectativa de um anúncio nesta tarde de um novo corte dos juros neste ano.

O presidente Donald Trump vem pressionando as autoridades monetárias para reduzir a taxa, atualmente entre 2,5% e 2,25%. Apesar das divisões sobre a necessidade de redução nos custos de empréstimos, a ampla expectativa é que o banco central dos EUA corte sua principal taxa de empréstimos em 0,25 ponto percentual pela segunda vez este ano.

No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decide também nesta quarta a nova taxa básica de juros do país, atualmente em 6% ao ano, e a expectativa do mercado é de que a taxa caia para 5,5% ao ano. Se confirmada uma nova redução, a taxa Selic atingirá o menor patamar em 30 anos, desde que o Banco Central deu início à série histórica da taxa básica de juros, em 1986.

 Fonte: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/09/18/dolar.ghtml